Acusaciones De Avancini Contra Schurter En La Cape Epic 2019

Acusaciones De Avancini Contra Schurter En La Cape Epic 2019

18/03/2019
Whatsapp
18/03/2019

Al final de la primera etapa de la Cape Epic 2019, el corredor brasileño dijo literalmente: “Lástima que no haya micrófonos en las bicicletas, de lo contrario la gente vería quién es realmente Nino. Es el mejor, pero se piensa que es el jefe del grupo. Trata, y habla, sin respeto a los demás corredores durante la carrera”.

Puedes escuchar a Avancini en el video de arriba en el punto 2:33,15. Palabras dictadas por la frustración por haber finalizado segundo justo detrás del equipo de Scott.

Recordamos el último ascenso de los Campeonatos Mundiales Maratón 2018, en el que el mismo Avancini parece poner la bicicleta de lado para hacer que sus oponentes se bajen y suban a pie como él:

Update:

View this post on Instagram

Another good stage for me and @manuelfumic . We finished 2nd behind the fast Scott duo. Mostly of the stage was really smooth apart from one racing episode I had with Nino. From my point of view a race is raced only with legs when out there. For him, using words as a “mental game” during the race is part of it. We disagree on this point, which is alright. Most important, we BOTH agree that I over reacted on my first interview and was too aggressive with my choice of words, even if I don’t like the way he behaves at times during the race. Even if I don’t approve few things he does (and he also doesn’t like few things I do), I just passed by to talk to him and his team, clear the situation, apologize to him and crack on with the race. I respect him as The Best Ever of this sport and I hope he respects me as a guy that tries really hard to race at this level. . . . Mais uma boa etapa para mim e Manuel Fumic. Terminamos em 2º atrás do dupla da Scott. A maior parte do dia foi realmente suave, exceto um episódio que tive com Nino. Do meu ponto de vista, uma corrida é disputada apenas com as pernas quando estamos na pista. Para ele, usar palavras como um “jogo mental” durante a corrida é parte disso. Nós discordamos nesse ponto, e nada de errado em ter pontos de vista distintos. Nós dois concordamos que embora, da minha perspectiva eu não goste do que ele faz, em minha primeira entrevista fui agressivo com a escolha de minhas palavras. Mesmo que eu não aprove o comportamento dele (e ele também não gosta de algumas coisas que eu faço), eu apenas passei para falar com ele e sua equipe, acalmar a situação, pedir desculpas pra ele e continuar com a corrida. Eu o respeito como o melhor de todos os tempos deste esporte e espero que ele me respeite como um cara que se esforçou muito para competir em alto nível.

A post shared by Henrique Avancini (@avancinimtb) on

Update 2: